top of page
4.png

MALÚ LOMANDO

RELEASE

vulnerabilidade, essência e poesia

Cantora, compositora, atriz, comunicadora, escritora e pesquisadora da vulnerabilidade, 29 anos, carioca radicada em SP.

Iniciou sua carreira na música ganhando visibilidade com videos no YouTube e sendo finalista do programa Estúdio Acesso MTV em 2012. Estuda teatro desde os 7 anos, iniciando na Casa do Teatro até se formar na Escola Superior de Artes Célia Helena. É também internacionalista de formação e cursa atualmente uma pós graduação em Psicologia Analítica. Em seu trabalho autoral, a artista combina música, poesia, atuação e performance explorando temas como a vulnerabilidade, a busca da essência, a integração entre luz e sombra, o resgate da sensibilidade, a libertação das amarras psicológicas e emocionais do patriarcado e a transformação inerente à condição humana.

 

Malú estreou seu trabalho autoral em março de 2019 com o single e videoclipe "Meu Homem," dirigido por Henrique Oliveira (Panan Filmes): uma composição sensual e afirmativa da mulher enquanto sujeito desejante, contraposta no clipe pelas dificuldades do fim de um relacionamento. Seu segundo single e videoclipe "Supernova", dirigido por Renata Reis (Obscena FIlmes), lançado em agosto de 2019 em parceria com o também ator e musicista Barroso Eus, subverte papéis de gênero simbolizados nos arquétipos do Sol e da Lua, equilibrando forças e cores ao representar, através da letra, dança e performance, a finitude e a continuidade da vida.

 

Em março de 2020, Malú lançou seu primeiro álbum "Alphaleonis", surpreendendo jornalistas e personalidades da cena brasileira pela sensibilidade e completude do projeto. As faixas traduzem os estados psíquicos e emocionais das fases do luto, numa narrativa que combina sonoridades, gêneros musicais diversos e interlúdios poéticos, oferecendo uma travessia ritualística de cura e metamorfose. Através da arte Malú transforma, junto ao público, um momento de imenso caos em luz, como a estrela que intitula o álbum: Alphaleonis é o coração da constelação de Leão, signo da artista, simbolizando um reencontro com nossa essência luminosa. Subvertendo a tradição dos videoclipes, o projeto traz como complemento audiovisual uma série documental de vídeos intitulada "VIDA MORTE VIDA", dirigida por Renata Reis. Potente e emocionante, o conteúdo dá protagonismo a convidados de múltiplos gêneros, etnias e idades que se identificaram e se conectaram com as canções de "Alphaleonis". A partir de diferentes relatos pessoais, a série expande a reflexão proposta pelo disco exaltando pertencimento e conexão na condição humana.

Adjustments (1).jpeg

trecho da canção "Estrela", presente no álbum Alphaleonis

"transformar
meu caos em estrela,
na mais brilhante que há"

Em junho de 2020, a convite da atriz Thainá Duarte, Malú gravou a composição "Dona Sombra", em parceria com a também cantora e atriz Giu Melito, trilha sonora oficial do projeto #EstouAquiParaContar: uma ação informativa e empoderadora contra a violência doméstica, apoiada por empresas e instituições como ONU Mulheres, Natura, Instituto Avon, Magazine Luiza, dentre outros.

A artista foi convidada a performar seu trabalho no palco do TEDx, uma das maiores plataformas de compartilhamento de ideias do mundo, em sua edição no Morro da Urca, em dezembro de 2021 no Rio de Janeiro. Sob a temática do countdown das mudanças climáticas, Malú apresentou canções e poesias autorais, abordando a ação antrópica no planeta de uma perspectiva ecofeminista e costurando um equilíbrio entre energias masculinas e femininas, numa proposta de revisão do modelo hegemônico de masculinidade e de um lugar mais adequado e justo para o feminino, em nós e no mundo.

 

Em seus shows e apresentações, Malú combina música, poesia, interpretação e a interação com o público transformando o que poderia ser mero entretenimento em uma experiência profunda de sensibilidade e reflexão. A artista se apresenta espaços e eventos como: Teatro da Rotina, Fino da Bossa, Teatro Centro da Terra, Lab Mundo Pensante, Paraty Yoga Festival (RJ), Ocupação 9 de Julho, Centro Cultural Casa da Luz, Ateliê Travessia, etc.

 

Malú também realiza ativações artísticas em empresas, em parceria com o Instituto Amuta e De Pessoa Pra Pessoa, já tendo atendido marcas como Roche, Randoncorp, Vale, O Futuro Das Coisas, Noví, dentre outras.

"A força não reside na agressão,

 nem na dominação. 

A força reside no que é capaz

de se sustentar."

fala de Malú no TEDx Morro da Urca

09_06_2022 20_35_16.png
EE1E2462-921B-46E2-945E-682AC7219C00_L0_001-28_02_2023 09_07_18.jpg
Formatos

voz & violão

Neste formato de show, Malú Lomando se utiliza de violão e pedais em diferentes dinâmicas, poesias e interações com o público, conduzindo-o por uma experiência musical, poética e intimista em torno das temáticas do autoconhecimento, vulnerabilidade, conexão, integração, sensibilidade, etc.

espetáculo "ARTÉRIA"

Malú está desde o final de 2022 em processo de ensaio de seu primeiro espetáculo autoral. Em formato de monólogo musical, o trabalho nasce de sua pesquisa artística e da necessidade de criar um elo sensível e potente entre as múltiplas linguagens à que se põe a serviço, entre um show e uma experiência teatral, entre as vivências psicoemocionais individuais e as coletivas, entre a fragilidade e a força, entre as sabedorias ancestrais e as do presente, entre as emoções e a razão, entre o consciente e as expressões do inconsciente, entre a menina e a mulher, entre o sagrado e o humano, entre a arte e o autoconhecimento.

 

"ARTÉRIA": palavra de gênero feminino que contém em si "arte"; de fonética aberta e tônica marcante, que rapidamente é associada a algo que vem do coração, das estranhas, das vísceras; algo intenso, que atravessa, que conecta. O trabalho constrói uma ponte entre o passado e o presente; resgatando músicas do álbum "Alphaleonis" e as revisitando com o olhar da artista de hoje, podendo dar a elas o palco que a pandemia privou, e integrando-as à novas composições e à 9 textos inéditos. Alicerçada nesse repertório, Malú se utiliza do figurino, da interação com objetos do cenário, da performance e da quebra da quarta parede, conduzindo o público por uma travessia musical, afetiva, simbólica e ritualística pelos diferentes estados e emoções humanas num contexto de das crise/metamorfose, oxigenando cabeças e corações na busca por uma nova consciência que compreenda a impermanência e a imperfeição da condição humana.

 

O espetáculo tem direção de Fernando Vilela, direção musical de Felipe Câmara e direção de movimento de Anna Luiza Marques.

CLIPPING

clique na imagem para ver a matéria

clipping

bottom of page